Você sabe diferenciar tristeza de depressão?

Imagem com efeito granulado com mulher negra triste e com a mão no rosto

Apesar de serem bastante confundidos, são distintos. Atualmente a depressão é considerada a “doença do século” e também o transtorno mais incapacitante do mundo, mas você sabe diferenciar a tristeza não adaptativa da tristeza adaptativa?


A tristeza não adaptativa, também chamada de depressão, é uma condição médica, isto é, é um distúrbio que caracteriza-se por uma tristeza profunda, contínua e sem motivo aparente, que vem carregada por uma grande sensação de vazio e desesperança, além da diminuição e perda de interesse em atividades que antes lhe dava prazer ou motivação. Na depressão há sentimentos de inferioridade ou e culpa e esses sintomas – que são persistentes e duram a maior parte do tempo – afetam de forma negativa a vida das pessoas em diversos aspectos: psicológicos, afetivo-sexual, social, familiar, profissional, entre outros.


A tristeza adaptativa, por sua vez, não se caracteriza como um distúrbio. Na verdade ela é considerada uma emoção. As emoções – sejam elas positivas ou negativas – fazem parte do funcionamento das pessoas. Em geral, a tristeza adaptativa aparece como reação/resposta a determinados acontecimentos externos como perda de alguém querido, dificuldades ou problemas específicos, isto é, há um motivo que desencadeia essa tristeza. Em geral, as pessoas têm pensamentos repetitivos sobre o motivo, mas depois de algum tempo sentem-se aliviadas e prontas para recuperar as energias (ou até mesmo depois de chorar ou desabafar). Esse tipo de tristeza tem caráter momentâneo, quando o contexto se modifica e/ou melhora, a emoção tende a diminuir.


Em ambos os casos é preciso estar atento aos sinais/sintomas e se necessário buscar ajuda profissional especializada. Saber e sentir verdadeiramente que não está sozinho(a) em sua trajetória de vida auxilia e muito na resolução de problemas.


#depressão #emoções #luto #psicologia #psicoterapia #terapiacognitivocomportamental #tristeza #tristezadisfuncional