Respiração diafragmática: Você sabe fazer?



A técnica é bastante utilizada em pacientes com queixas dos mais diversos transtornos de ansiedade, principalmente em quadros onde há a ocorrência de ataques de pânico. ⚠ Quando a pessoa fica muito ansiosa (por questões realistas ou por interpretações distorcidas), o cérebro – mais especificamente o sistema nervoso autônomo simpático – dispara adrenalina e noradrenalina no sangue. Com isso, a pessoa experimenta sintomas físicos, tais como palpitações, sensação de falta de ar, tremores, sudorese, boca seca, tensão muscular e tonturas, entre outros. Além disso, há também sintomas cognitivos, como medo de morrer, de enlouquecer, ter um ataque cardíaco ou perder o controle. Quanto mais forte a ativação dos sintomas, maior o pavor – e este sentimento, por sua vez, mantém ativado o sistema simpático, de forma que o organismo demora mais tempo para restaurar o estado de relaxamento!


Para fazer, escolha uma posição confortável. Coloque a mão sobre o abdômen para sentir a movimentação durante a respiração. Inspire pelo nariz contando até quatro, sentindo o ar encher os pulmões e o abdomên subir. Segure o ar por dois tempos. Expire pela boca, esvaziando os pulmões contando até quatro. Repita o processo por algumas vezes, depois continue sem contar o tempo!